A beleza de desligar o celular

 

A BELEZA DE DESLIGAR O CELULAR

Muitas das coisas mais belas que conseguimos ver ficam atrás das cortinas e não clamam por atenção. Simplesmente se desenvolvem num segredo involuntário. São atitudes, processos, sensações, imagens, sons, tudo isso acontecendo sem existir qualquer traço de vaidade e orgulho, pureza total no seu clímax.

Em alguns momentos de milagres operados no meio da multidão, Jesus pedia que não contassem a ninguém seus atos sobrenaturais e imediatamente se retirava. Buscava solitude, poeira baixa e o silêncio no meio das árvores, como que querendo dizer a tudo e todos de todas as gerações: não valorizem em primeiro lugar o que é belo a partir da operação de mãos humanas, ainda que minhas também, mas fitem com força os olhos naquele que criou a beleza. Eu gostaria de ser um mosquito e pousar no ramo de um arbusto para observar o Mestre em toda sua beleza solitária, longe de tudo, perto de nosso Pai em oração. Que cena! Nada deve se comparar.

Uma cachoeira cristalina no deserto, a ruptura com vícios antigos, o solo da guitarra contagiante, gerar um filho, inventar a roda e o manuseio do fogo seriam belezas totalmente ofuscadas pela visão da face de Deus num quarto fechado, sem gritaria e fotos no instagram.

Somente experimentar os momentos em secreto como Jesus fazia vão exterminar gradualmente, a necessidade do ser humano de clamar por atenção e suas insatisfações mesmo tendo o básico para viver.

Divulgue a beleza de fechar o quarto com Deus, a beleza de desligar o celular.

Anúncios

Notícias ruins e acordes feios são difíceis de combinar

 

rakshabandhansale

De repente tudo muda, céu nublado sobrepõe as cores vivas no horizonte. A gente fica sem chão, sem ar, sem palavras. Parece que a alma sofre um bug em seu sistema. Estremecem as emoções.

Isso é o que pode acontecer quando tristezas chegam.

Como continuar então a compor a música da vida ? Que letra e combinações de notas inserir a partir da dor ? Fica cada vez mais difícil responder, ao passo que os dedos e as cordas vocais não emitem som corretamente. A lógica vai embora e acena a distância.

Bom, mesmo assim, há consolo.

Notícias ruins e acordes feios são difíceis de combinar, mas acabam tendo considerável papel na hora de complementar o refrão da esperança, que diz: “o próprio Deus enxugará suas lágrimas, e a morte não estará mais no fim das páginas”.

Mudança

 

Há bastante trabalho numa alteração de vida e quebra na rotina do endereço atual.

O caminhão do frete não é barato, vem calor na nuca, a mobília pesa e deixa a perna bamba. Várias são as caixas para organizar os pequenos objetos no traslado. Muita coisa até vai fora nesse processo, ficando somente o que vale a pena ser considerada vital a nova moradia.

E não podemos fugir do esforço, do engajamento físico e mental que isso exige, da luta e da entrega quando entramos no trajeto da mudança. Não dá pra se esquivar do soco.

O lance é encarar a responsabilidade, sem esperar sentado e que tudo aconteça em forma de clique como no The Sims.

Daí a gente vira adulto. E virar adulto é não mais depender do pai e da mãe pra limpar o esterco de nossas inconseqüências e omissões. Sendo assim, tem coisa boa na dificuldade que é mudar de CEP, porque o coração também muda ao olhar uma nova empreitada e geografia, melhoria simultânea, parceria com Deus.

Ele vai lado a lado, gosta de nos levar por vales, sombras, pastos, águas tranqüilas, tempestades, cavernas, palácios e jardins, vai nos deslocando daqui e dali, até o dia que não precisaremos mais, pois estaremos no local final, na pátria e habitação celestial.

Até lá, muitas mudanças estão por vir.